quarta-feira, 29 de março de 2017

Frango à Brijas

Saí da casa dos meus pais aos 23 anos e das coisas que guardo mais saudades é dos cozinhados da minha mãe.

Acho que as mães têm um tempero a cozinhar que marca os filhos, espero estar a passar o mesmo aos meus rebentos. 
E a minha mãe sempre trabalhou, por isso dizia que era a mulher eléctrica, em menos de nada tinha uma refeição pronta. Também dizia (ainda diz) ser mágica - conseguia sempre encontrar algo que nós não achávamos. Ainda hoje faz isso e estou para descobrir como...

Mas voltando à cozinha, a minha mãe é sinonimo de salsichas enroladas em couve-lombarda, em iscas com tirinhas de bacon, em lasanha de bacalhau, em massas com chouriço e estou para aqui quase a salivar de me lembrar... 

Um dos meus pratos preferidos era o frango com esparguete, que depois de já ter a minha própria casa pedi para me ensinar a fazer. E assim, carinhosamente, apelidei de "Frango à Brijas".

É um prato de fácil execução, rende imenso e é tão saboroso!



Frango à Brijas

Ingredientes:

  • 1 frango do campo partido em pedaços pequenos
  • Vinho branco
  • 2 cebolas
  • 1 limão
  • 1 folha de louro
  • Esparguete
  • sal qb
  • azeite qb
  • alho em pó qb

Preparação:

Se conseguirem, na noite anterior à confecção do frango deixem-o a marinar. Eu coloquei em vinho branco, um limão às rodelas, a folha de louro, sal e alho em pó.


Para cozinhar, comecem por fazer um refogado com 2 cebolas picadas, um generoso fio de azeite e um pouco do caldo da marinada. Quando a cebola já estiver a alourar coloca-se o frango, e o resto da marinada em lume médio-baixo, e vai-se mexendo para cozinhar de forma homogénea. 

O meu frango como era grande demorou cerca de 1 hora a cozinhar na totalidade, se fosse a minha mãe tinha despachado a coisa em metade do tempo. 

O grande truque deste prato é o passo seguinte: retirar o frango para uma travessa mas na mesma panela, cozinhar o esparguete. Adicionar a água, de preferência já quente, sal e quando tiver a ferver o esparguete.

O que acontece é que o esparguete é cozinhado no refogado do frango, com a cebola já caramelizada e assim tende a ficar mais escuro e com mais sabor.
Eu gosto do esparguete al dente, por isso 8 minutos a ferver é suficiente, e por final escorrer a água

Depois basta envolver o frango no esparguete. Cá em casa rende imenso, dá para 2 jantares e suja apenas uma panela - a senhora que arruma a cozinha (euzinha) agradece.

Mãe e aquele bolo de chocolate e coco? Ou o pudim com palitos la reine? Ah pois. a dieta... 😛😜😝


Tiradas do A. mais velho #3 (e os Amigos da Quinta)

O Lidl lançou recentemente mais uma colecção de peluches que podem ser adquiridos através de selos- chamam-se "Os Amigos da Quinta".
Por cada 10€ é dado um selo e uma carta. Existem 36 cartas diferentes, e ao final de 14 selos podemos trocar por um peluche (com o pagamento de 2.99€).

Eu achei a iniciativa gira, gostei do tema. Perceber quais são os animais da quinta, de onde vêm os alimentos. E depois de conversar com o marido decidimos que seria uma boa comprar a caderneta para o A. mais velho começar a ter o gosto de coleccionar algo. 
Afinal quem não se recorda da excitação que era completar uma caderneta, vê-la a ficar composta, trocar os cromos ou cartas repetidas.
Apesar de os peluches serem, provavelmente, a parte preferida da criançada...

Então ontem comprei a caderneta, e quando a entreguei à noite ao filhote foi Natal cá em casa. 

Foi todo um delírio da parte dele, principalmente porque a caderneta para além do espaço para colocar as cartas, também trás um caderno de actividades e um jogo de tabuleiro. 

Por isso família, amigos, já sabem! Se forem ao Lidl lembrem-se de nós! Estamos a tentar completar uma caderneta!



Agora a parte mais gira:

Desde ontem que o A. mais velho passa as refeições a brincar com a meia dúzia de cartas que já tem. As cartas consistem em perguntas e respostas para ensinar à pequenada várias coisas relacionadas com uma quinta. Nós perguntamos e ele tenta responder.

Por exemplo:
P: Como se chama o grupo que contém leite, iogurte e queijo?
R: Lacticínios

P: Qual a gordura mais saudável que se deve usar para cozinhar?
R: Azeite

E hoje ao jantar o meu filhote grande teve tão bem, a pergunta era:
P: De que continente vêm as batatas?

Sabem a resposta? Eu não sabia, mas o meu filho teve a resposta na ponta da língua, e à realidade dele é sem dúvida a resposta mais acertada

R: Oh mãe, essa é fácil. Do continente online!!!!

E eu e o pai olhámos um para o outro e desatamos a rir. Tendo em conta que faço as compras online, onde se inclui as batatas.... e ele tem 4 anos...

Para os mais curiosos a resposta é América. 😜😛

segunda-feira, 27 de março de 2017

Fartinha das Ites

Estou farta, muito farta de todas as ites que têm ultimamente batido à porta cá por casa.

Já o mês passado tinha partilhado aqui, que pela primeira vez os meus filhotes tinham adoecido em simultâneo. Este mês acharam por bem repetir o feito.

O mais velho anda a fazer colecção de otites desde que o ano começou. E é de partir o coração vê-lo a chorar agarrado à orelhita. Portanto estamos no terceiro mês do ano, e ele está no terceiro mês de antibiótico de 2017.
Nós já sabíamos que ao entrar para a escolinha a coisa ia ser mais complicada, mas é que tem sido demais.
Pelo que todos dizem é apenas assim no primeiro ano, estarem sempre doentes. E tal como a médica afirmou antes estava em casa, não é que estivesse mais protegido apenas estava menos exposto.

O mais novo por sua vez, é mais amigo das bronquites e faz da máquina dos aerossóis uma companhia do dia-a-dia. Mas desta vez custou mais, ficou de tal maneira entupido que comer tornou-se complicado ao ponto de vomitar. E a febre ainda não passou.
Nisto tudo o pior é que perdeu o apetite, ele que em 10 meses tem sido um bebé super comilão. Agora vira a cara e recusa a colher. 
E eu agradeço à Xana Toc-Toc, e ao seu novo amigo Xingú que tem feito as delícias do pequeno e eu sempre consigo ir dando umas colheradas de sopa ou papa.

Os dias têm passado a correr, há mil e uma tarefas domésticas em atraso e não consegui cozinhar nada na passada sexta-feira para colocar aqui.

Têm sido dias feios, como o tempo. Felizmente nada de preocupante, mas  abala vê-los assim constantemente.

Que chegue o sol, que venha o calor e os dias bons, e que tragam bom espírito.

quinta-feira, 23 de março de 2017

Parabéns Meu Amor

Sempre dei bastante importância à data de aniversário, acho que deve ser um dia único e especial, afinal de contas só acontece uma vez por ano, e todos os anos são diferentes.

Ao contrário de ti que nunca quiseste saber muito disto de fazer anos. Mas eu sei que gostaste quando te comecei a surpreender.

No primeiro ano de namoro, encomendei-te um bolo e fiz-te a surpresa. Lembro-me como se fosse hoje, era véspera de partires para Londres a trabalho e ficaste tão contente, um bolo, dois chapéuzinhos e cantei-te os parabéns.

Os anos foram passando e sempre zelei por te tentar oferecer boas prendas, ou pelo menos, aquelas que a minha carteira permitia, e que todas elas tivessem o factor surpresa. Houve um ano que tiveste inclusive uma festa surpresa, com os nossos amigos escondidos na casa-de-banho, e montes de charadas até chegares à prenda de anos.

Sei que não demonstras muito os sentimentos, mas pelo que te conheço os pequenos mimos ficam-te na memória.

E os anos continuaram a passar, e tu actualmente já dizes que estás a ficar velho, que daqui a pouco tens 40 anos.
Eu, quero-te muito lembrar que a idade não interessa para nada, o que conta é o espírito. E que para mim tu vais ser sempre o mesmo, tenhas 28, 38 ou 88.

Este ano não tenho nada, não tenho bolo, não tenho surpresas nem prenda cheguei a comprar. Pediste um escadote, mas depois mudaste de opinião e afinal queres uma aparafusadora que só está disponível para a semana.

No entanto sei que já te dei o que mais querias desta vida, os nossos dois meninos, a luz dos teus olhos.

Uma coisa quero que tenhas sempre presente, apesar do meu mau-feitio: estarei sempre a teu lado. Podem haver pernas partidas, internamentos de urgência no SO, dias com muito sol ou dias com muita chuva. Mas eu estarei lá, sempre, para te dar a mão e lembrar que amanhã o sol nasce novamente.

Parabéns meu amor, cota!!! 37 Primaveras!

terça-feira, 21 de março de 2017

Pão de Trigo e Alfarroba

Foi com grande entusiasmo que fiquei a saber que a marca "Nacional" tinha lançado uma farinha nova de trigo e alfarroba e estava cheia de vontade de experimentar fazer pão com esta farinha.

Mas ainda não tinha encontrado à venda, até que veio parar cá a casa assim do nada. E sabem porque? Porque tenho uns amigos do caraças!!!

Não tenho muitos amigos mas aqueles que tenho são muito bons. Tenho algumas amigas que vejo com pouca frequência, mas quando nos encontramos é, literalmente, uma festa. Estão no meu coração e apesar da distância do dia-a-dia sei que estão lá.
Mas depois tenho a minha trupe, aquele grupo de amigos que já é família. Que me conhece há anos, que me acompanhou nos bons e maus momentos, que estiveram sempre lá.

Os amigos que entram cá em casa e sabem o sítio das coisas. Os amigos que partilhamos tudo e nada. Os amigos que ficam tão felizes como nós com as nossas vitórias, e realmente tristes com as nossas derrotas. Os amigos que o meu filho mais velho trata por tio ou tia. 
E foi assim que segunda-feira tocaram à campainha para me entregar um pacote de farinha de trigo e alfarroba. O meu obrigada!

Em relação ao pão posso dizer que foi um sucesso, até o pequeno de 10 meses adorou os miolos. O mais curioso é que a farinha é mistura de trigo com alfarroba... 3% de alfarroba!! No entanto o pão fica escuro escuro e o sabor mesmo diferente.


A receita do pão já é conhecida. Prepara-se a levedura (400ml de água tepida, com 1 colher de chá de sal, e 1/2 quadrado de fermento de padeiro fresco) e mistura-se em 500 gr de farinha até formar uma massa. E depois deixar levedar por 2 horas.

A massa cresceu imenso, notou-se que levedou bastante e claro, o pão ficou super fofo. Depois de levedada a massa teve este aspecto:


Depois levar ao forno por cerca de 40 minutos.



A farinha:

Farófias (do Dia do Pai)

Eu adoro farófias, sempre gostei muito, e este especial gosto herdei do meu pai.

Farófias ou iceberg. Quando era mais nova e íamos almoçar fora era menina para reservar as farófias logo à entrada, não fosse à hora da sobremesa já não haver...
Sim, é um exagero mas é daquelas sobremesas mesmo boas, que me traz boas recordações e que é muito raro comer por isso há que jogar pelo seguro. 😁

No passado domingo foi dia do Pai, e para além do pequeno mimo que compro sempre ao meu Pai, representativo do dia em si, acho que o principal gesto é oferecer algo feito por mim. Algo que sei que ele gosta mesmo.
Portanto lembrei-me das nossas grandes amigas: farófias!!

Esta receita é a excepção que confirma a regra, ou seja, é uma receita com açúcar, melhor, leite condensado. Por isso a parte da alimentação saudável é um pouco posta de parte. Mas dias não são dias. E acredito mesmo que se actuarmos com ponderação há espaço para tudo, até para uma bela taça de farófias.



A confecção desta receita é muito muito simples, fiz na Bimby, e a receita encontra-se no livro " Doces com Leite Condensado na Bimby".



Farófias

Ingredientes:
  • 6 ovos
  • 30 gr açúcar em pó
  • 1 lata de leite condensado
  • Raspa de 1 limão
Preparação:

É super simples e muito rápido, aconselho apenas a fazer na véspera pois é uma sobremesa que se quer bem fresca. 
Começa-se por colocar o açúcar e programar alguns segundos na vel. 9 para ficar em pó.
Depois coloca-se as 6 claras, uma pitada de sal e a borboleta. Programa-se 6 mins, temp. 70, vel. 3.
As claras devem ficar bem firmes e brilhantes. 
De seguida, para retirar o excesso de humidade das claras põe-se em papel absorvente, eu utilizo uma concha da sopa para lhes tentar dar formato. Deixa-se secar.

Enquanto secam coloca-se no copo: 4 gemas, a lata de leite condensado e a raspa de um limão. Programa-se 6 mins, temp. 90, vel. 3.

E pronto, está feito. Coloca-se as claras numa travessa e depois de arrefecidas, a cobertura por cima.



No final ainda polvilhei com canela. 
Fica doce, bastante doce. Mas é uma maravilha para comer ao domingo, depois de um belo almoço em família.

Ei-las aqui prontas a ser transportadas para a casa dos meus pais.


domingo, 19 de março de 2017

Às sextas na cozinha #2

Mais uma sexta-feira em que acabo o dia a pensar: "na próxima sexta não faço tantas coisas..."

Mas a verdade é que enquanto ando entretida de volta das receitas e das panelas o tempo voa e eu fico toda contente depois com os resultados. 
Esta sexta dei especial ênfase a receitas com farinha: pão, pastéis e mais pão. É que estar sossegada a amassar, ou a estender a massa é relaxante. É como uma actividade anti-stress, e enquanto estamos concentradas na massa o nosso cérebro sossega, e parece que tudo o que são preocupações, naqueles instantes, não existem.

Há quem pinte livros para adultos, outros penteiam a areia, ora eu amasso pão!

Pois então vamos lá:

1. Sopinha de Nabiças com Coelho


Comecei a manhã a preparar sopinha para o A. mais novo, desta vez com carne. Cozo sempre primeiro a carne à parte - desta vez coelho. Depois noutra panelinha faço o puré de legumes: batata, courgette, cebola, abóbora e nabiças biológicas, vindas directamente do cultivo da minha sogra. 
No compartimento mais pequeno é melão triturado, que o pequeno tanto gosta.

2. Puré de Maça e Banana


Experimentei pela primeira vez juntar uma banana madura ao puré de maça e posso avançar que, a pequenada adorou, e eu também. A única diferença é mesmo adicionar uma banana às rodelas, à panela com as maças descascadas e a água, pouca, e depois deixar tudo ferver. O puré fica mais consistente e muito mais docinho. Para os meninos farei certamente com bastante frequência.

3. Papinhas de Aveia com Pêra


Mais do mesmo, o lanchinho do mais novo que adora estas papinhas, dispensam grandes apresentações. 
Um pormenor é que entretanto me habituei a demolhar os flocos de aveia antes de cozinha-los, regra geral depois do almoço coloco as 2 colheres de sopa de flocos numa taça com água e deixo entre 2 e 3 horas. Noto que ficam mais molinhos e, pelo que pesquisei são mais bem absorvidos pelo organismo.

Nesta foto ainda estava só as papas de aveia depois de cozidas com a pêra, faltava adicionar a medida de biberon (actualmente adiciono 60 de LA) para não estarem tão espessas.

4. Pastéis de atum no forno


Estes pastéis foram um sucesso e eu fiquei totalmente fã. Irei depois colocar a receita toda com uma explicação mais detalhada. São confeccionados no forno e super simples e fáceis de fazer.

Vi a receita num livro da Bimby "Massas e Doces" e cativou-me por serem feitos no forno e então decidi adaptar aos meus ingredientes e experimentar.
A massa pode ser quebrada de compra, mas eu não tinha por isso também fiz a massa. Juntar água, farinha, sal e manteiga, mexer até formar uma massa. E depois estender. 
Paralelamente fazer um refogado de cebola, alho e azeite, e depois juntar 2 latas de atum ao natural e 1 lata de cogumelos. 
Por fim montar os pastéis, e pincelar com gema de ovo antes de levar ao forno. Fiz 12 pequenos e um grande. Serve como snack mas também dá perfeitamente para uma refeição.

Para o recheio podemos dar largas à imaginação e fazer com frango, fiambre, bacon, etc.
Foram mais que aprovados, depois colocarei a receita mais detalhada, com quantidades e mais fotos.


5. Pães de Deus de Aveia e Coco


Mais uma experiência que correu super bem e que merece depois ter o devido destaque.
E outra receita que decidi adaptar, fazer pães de Deus com farinha de aveia e 0 açúcar. 

Para quem está habituado a coisas muito doces isto não fará certamente as delícias, mas para o meu palato ficaram óptimos. Húmidos por dentro e doces por fora. 

Primeiro trata-se da massa: com farinha de trigo e farinha de aveia, fermento padeiro, sal, bebida de soja de baunilha e deixa-se levedar até dobrar de tamanho. 
Depois molda-se bolinhas, fiz cerca de 10 e deixa-se repousar novamente.
Numa taça mistura-se o coco ralado com mais bebida de soja e coloca-se por cima de cada pão. Vai ao forno e temos lanche saudável para toda a família!

Posso adiantar que um pãozinho destes barrado com manteiga de amendoim e coco caseira fica qualquer coisa....



6. Pão de Mistura


O belo do pão para o pequeno-almoço de sábado e domingo.

Para quem compra pão com regularidade, hão de perder tempo a ver os ingredientes que o pão leva... é todo um disparate pegado. 
Por isso não há melhor que fazermos o nosso pão. 
Farinha, fermento de padeiro fresco, água e sal. Mais nada. Quilos de Amor e Forno a Trabalhar. 

É por isso que o pão que faço à sexta-feira só tem a validade do fim-de-semana, estraga-se ao fim de 3 ou 4 dias (se chegar a tanto tempo), mas isso significa que na sua composição não tem conservantes, nem aditivos... 

Desta vez fiz pão de mistura. O marido prefere o pão branco. Eu prefiro o escuro, mais saudável. Então para nenhuma das partes ficar chateada: 250 gr farinha de trigo + 250 gr farinha de trigo integral.

7. Sumo de Tangerinas



Do terreno dos meus pais chegaram umas tangerinas, que deram um sumo natural para o jantar. Estas tangerinas não eram propriamente doces pelo que tive de recorrer ao açúcar branco para salvar a coisa.

8. O jantar


O nosso jantar de sexta-feira: red-fish no forno com tomate, arroz de ervilhas e uma boa salada.

E por esta sexta a missão está cumprida!